sábado, novembro 08, 2008

Bola de fogo cruza o céu de Santo Hipólito

Bola de fogo cruza o céu de Santo Hipólito

Um objeto incandescente cortando o céu em alta velocidade, seguido de uma forte explosão, caiu nos arredores do pequeno município de Santo Hipólito, região central de Minas Gerais, com cerca de 3.600 habitantes.
Embora ainda não tenha sido encontrado nenhum vestígio para explicar o misterioso fenômeno, muitos moradores afirmam tê-lo visto por volta das 23h30 do dia 25 de agosto deste ano.
Cerca de 50 policiais militares e bombeiros deram buscas na região, usando inclusive uma aeronave, mas sequer encontraram qualquer objeto. Segundo o cabo Edson de Moura, do 42º Batalhão da Polícia Militar, nos relatos das testemunhas, trata-se de uma grande bola de fogo, do tamanho de uma cabine de caminhão, que cruzou o céu da cidade, a poucos metros das árvores e telhados. O mesmo fenômeno foi observado no mesmo dia e horário por moradores de Resplendor, Vale do Rio Doce, e Belo Horizonte. Entretanto, nessas cidades, só foi vista a bola de fogo. Não houve explosão. O estrondo provocado em Santo Hipólito, conforme o policial, foi sentido na maioria dos imóveis do município, mais intensamente no povoado de Água Boa, na zona rural.
Algumas pessoas garantem que acordaram com os abalos. Elas disseram que as paredes balançaram e os vasilhames cairam dos armários. O cabo disse que, a princípio, pensaram tratar-se de um acidente aéreo. Essa hipótese foi descartada.
Desde a manhã do dia seguinte do ocorrido, a região foi vasculhada. Conforme o comandante geral do Corpo de Bombeiros, coronel Cláudio Teixeira, às 15h do dia 26 de agosto aconteceu o primeiro sobrevôo na região. A aeronave percorreu um raio de 50 km, mas nenhum indício de acidente com avião ou queda de objeto aéreo foi localizado.
As buscas continuaramm sendo feitas por militares da cidade. Pelas características do fenômeno, o astrônomo Ronaldo Mourão acha que um meteorito atingiu a região. Ele disse que pode se tratar de um fragmento dos restos da criação do Sistema Solar que tenha entrado na atmosfera terrestre. E ele explica a falta de vestígio na região onde foi visto. O objeto pode ter se fragmentado no espaço. Com o aquecimento causado pelo atrito com a atmosfera, ele teria explodido no ar antes de se chocar com a terra, e podendo causar até tremores de terra.


O fenômeno

Muitas vezes recebemos relatos de pessoas que viram estranhos objetos luminosos no céu. As descrições são sempre muito parecidas e retratam objetos semelhantes a meteoros cruzando o firmamento, mas com brilho muito mais intenso. Alguns logo se apressam em dizer que se trata da chegada de discos-voadores, mas que o fato será "abafado" para não criar pânico na população.
Teorias conspiratórias à parte, o fato é que muitos desses objetos brilham tanto que podem ser vistos até mesmo de dia, principalmente nas primeiras horas da manhã ou antes do anoitecer. Ao contrário do se possa imaginar, não estamos falando dos satélites de órbita baixa, como a Estação Espacial ou o telescópio Hubble. Estamos falando das bolas de fogo ou meteoros de grande brilho, que cruzam o céu muito mais vezes do que se possa imaginar.
Diariamente, a Terra é constantemente bombardeada por pequenos asteróides e outros detritos espaciais, criando uma espécie de garoa de meteoros, alguns deles muito brilhantes.
De acordo com cálculos feitos pelo astrônomo Bill Cooke, ligado à Nasa, bolas de fogo tão brilhantes quanto o planeta Vênus ocorrem mais de 100 vezes ao dia. Outras, mais brilhantes ainda e comparadas ao brilho da Lua crescente cruzam o céu pelo menos uma vez a cada dez dias. Segundo o astrônomo, existem ainda bolas de fogo extremamente grandes e brilhantes, com magnitude visual que pode chegar a -13 e que acontecem a cada cinco meses. Apenas para lembrar, magnitude negativa de -13 equivale ao brilho da Lua Cheia.
No entanto, nem sempre essas enormes bolas de fogo são vistas. A maioria delas, cerca de 70%, cruzam o céu sobre áreas inabitadas ou sobre os oceanos. A metade ocorre durante o dia, praticamente imperceptíveis devido à presença do Sol. Outra grande parte também não é vista simplesmente porque ninguém está olhando o céu naquele momento.Como podemos ver, uma grande bola de fogo não é tão difícil assim de ser avistada. As chances de vermos os grandes meteoros são bem maiores do que imaginamos.


Fontes: Jornal O Tempo / Apollo 11

Um comentário:

Nenem disse...

Eu moro em santo hipolito...
presenciei esse fato e foi realmente estranho...
Na hora do ocorrido eu estava dentro de uma Lan house e tremeu tudo...e na mesma hora teve uma luz clareando a porta... realmente estranho nao terem encontrado nada!!!